Batidas no violão: os vários níveis e como aprimorar!

Inscreva-se para saber dos novos conteúdos, assim que sejam publicados.

Compartilhe este Post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

As batidas no violão são técnicas pelas quais todo violonista passou ou deve passar. Seja para tocar música pop, para fazer o violão de um arranjo de rock ou até mesmo para tocar um contínuo na música barroca, a batida está comumente presente. É ela que traz ao som do violão uma dimensão mais rítmico-percussiva, podendo preencher um espaço rítmico que, de outra forma, só poderia ser preenchido por um instrumento percussivo. Podemos, aliás, dizer que a batida é, assim como diversas outras técnicas do violão, a simulação/imitação de uma banda, já que, por meio de uma boa batida, o músico é capaz de produzir um ambiente dançante e alegre.

De início, é importante observarmos o papel de cada uma das mãos na técnica da batida (caso você seja canhoto e esteja utilizando um violão próprio para tal, apenas considere o que falei para a mão esquerda como sendo referente à mão direita e vice-versa).
Podemos dizer que a mão esquerda, primeiramente, em uma música “batida”, cumpre 2 papéis:
1) Formar os acordes (harmonia).
2) Fazer possíveis abafamentos (veremos isso melhor adiante).

Enquanto isso, a mão direita é responsável por:
1) Fazer a batida propriamente dita.
2) Fazer possíveis abafamentos também.

É necessário que tenhamos feito esta observação, já que a técnica da batida não concerne unicamente à mão direita, mas consiste, no fundo, em um movimento coordenado entre ambas as mãos. No entanto, nos concentraremos aqui no papel desempenhado pela mão direita, que se divide em 3 funções: tocar para baixo, tocar para cima, abafar.

Para melhorar a compreensão, nos referiremos ao “tocar para baixo” como A e ao “tocar para cima” como B.

É importante também que você toque com os dedos i m a quando for bater para baixo e com o dedo polegar (com o lado da unha) quando for bater para cima. O movimento para baixo é como um “peteleco” com os dedos i m a, enquanto que o movimento para cima é uma deslizada da parte de trás do polegar pelas cordas.

Dito isso, vamos aos níveis:


Nível 1 (batidas simples):

Neste nível, você será capaz de tocar batidas simples, inicialmente tocando só A (para baixo) e, depois, com combinações simples de A e B (para baixo e para cima). Veja abaixo algumas dessas combinações, em ordem de complexidade e com seus respectivos arquivos de áudio (o A é o som grave e o B é o som agudo, ou seja, quando for som grave, bata para baixo, quando for som agudo, bata para cima):

1) A, A, A, A

2) A, A, B

3) A, B, A

É melhor falar A/B do que cima/baixo! E, se possível, fale A, B enquanto toca as batidas no violão!


Nível 2 (batidas pop):

É aqui que o som começa a ficar mais interessante, porque o ritmo passa a ser menos “duro” (isso se deve à presença de síncopas, mas não se preocupe com isso ainda, só tente tocar junto aos áudios). OBS: Lembre-se que o som grave é A e o som agudo é B.

1) A, A, B, B, A

Você pode tentar também uma pequena variação desta sequência:
2) A, A, B, B, A, B

batidas violao
As batidas no violão envolvem ambas as mãos! Lembre-se disto!


Nível 3 (batida pop com abafamento e batidas mais complexas):

Neste nível, introduzimos os abafamentos, que consistem em, como o próprio nome diz, abafar as cordas. Conforme dito anteriormente, podemos abafá-las tanto com a mão direita quanto com a esquerda. 

Abafando com a mão esquerda, basta que você relaxe os dedos, deixando-os somente encostados nas cordas, sem realmente pressioná-las, porém relaxando-os de uma tal maneira que encostem também nas outras cordas que não estavam pressionadas, abafando-as também. Você também pode utilizar o polegar para abafar a corda mizona.

Abafando com a mão direita, você deve tocar como toca normalmente (“peteleco” com i m a para baixo e deslizada de polegar para cima), porém tocando isto com parte da palma da mão encostada nas cordas. Experimente, para isto, tocar o “peteleco” e a deslizada de polegar para cima mantendo a mão encostada nas cordas (você não deve tirar a mão para tocar, mas tocar enquanto mantém ela encostada).
Observe que você não precisa escolher entre um e outro, mas pode utilizar ambos, a fim de conseguir uma sonoridade abafada mais eficiente.

Representaremos, em áudio, a abafada para baixo (A) como um som grave e curto e a abafada para cima (B) como um som agudo e curto.

1) A, A, B, B, A

2) A, A, B, B, A, B

Neste nível, você começará também a explorar suas próprias combinações, tendo elas abafamentos ou não. Veja, a seguir, um exemplo de combinação mais complexa:

3) A, A, B, A, A, B, B, A, A, B, A, B



Batidas no violão podem ser bem simples ou realmente complexas e difíceis, porém uma coisa é certa: é necessário que você caminhe gradualmente no desenvolvimento desta técnica, e o melhor para se desenvolver da maneira correta, evitando frustrações, stress e brechas no aprendizado, é um bom método, não é mesmo? Por isso (e para isso), Ricardo Novais criou o curso MOVI, disponível aqui mesmo, no site Amigo Violão, onde você disporá que aulas meticulosamente gravadas, que lhe darão o caminho correto no aprendizado do violão. Quer saber mais? Clique aqui!

Posts relacionados no Amigo Violão:

Você quer aprender violão de forma afetiva, de acordo com sua capacidade?

Veja nossos cursos: