Curso violão online: Dá para enfrentar o medo de partitura!

Inscreva-se para saber dos novos conteúdos, assim que sejam publicados.

Compartilhe este Post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Há muitas pessoas que, por profunda admiração pelo instrumento, decidem começar um curso de violão online. No entanto, muitas dessas acabam se sentindo intimidadas assim que se deparam com a primeira partitura. Podemos, claro, dizer que um susto inicial é normal, já que é esperado de qualquer pessoa que se assuste ao se deparar, pela primeira vez, com qualquer coisa que não saiba decifrar. O susto, porém, deve ser apenas inicial, diminuindo conforme a compreensão da escrita se aprimorar.
Vários violonistas, no entanto, continuam mantendo uma “aversão à partitura”, mesmo já tocando há muitos anos. Isto, normalmente, se dá por um dos 2 seguintes motivos:
1) O(a) violonista passou por métodos frustrantes e tediosos, que acabaram o(a) “traumatizando”.
ou
2) Ele(a) não reconhece o valor de se aprender partitura, pensando que é importante só para quem toca música clássica.

Ou seja, essa “aversão à partitura” se deve ou à frustração de já ter tentado e não conseguido, ou a um puro preconceito (que, convenhamos, esconde um fundo de preguiça). 
Porém, independentemente de qual seja o seu motivo para não aprender, uma coisa é certa:
Sem saber ler partitura, você será como um motorista cego!

Vale a pena dirigir de olhos fechados?

Sim, será como um motorista cego, porque o motorista cego é aquele que precisa sempre de alguém ao lado que o guie. Será como um motorista cego, porque sempre dependerá de professores ou vídeos que lhe ensinem, passo a passo, as músicas que deseja aprender. 

Em outras palavras: saber ler partitura é tornar-se livre e independente!

E aí talvez você diga: “mas eu já sou livre, e até mais livre do que aquele que domina a notação musical, porque eu consigo tirar músicas de ouvido com facilidade!”.

E caso pense assim, devo ser sincero: concordo com você! Se você tem um ouvido fantástico que te possibilita tirar até as músicas complexas só de escutá-las, você está em uma posição invejável! Mas deixe-me lhe perguntar uma coisa…
De que maneira isso torna o aprendizado da partitura desnecessário? 

Pergunto porque, afinal de contas, os grandes “ouvidos musicais” da nossa história dominavam também a escrita musical. Pensemos, por exemplo, em Bach, Mozart, ou mesmo entre nossos contemporâneos, Hermeto Pascoal ou Jacob Collier!
Todos estes têm/tinham ouvidos “estupidamente” bons, mas nem por isso desprezaram o aprendizado da partitura, tendo, muito pelo contrário, reconhecido-a como sendo, no mínimo, importante.

E isto não é à toa, vou explicar…

A música é uma arte que transcorre no tempo (e que, consequentemente, é apreendida pela memória). Transcorrendo no tempo, não pode ser percebida em um só instante, mas em uma sucessão de instantes, que se relacionam entre si. Uma música não pode ser vista como um quadro de pintura, em que basta uma única olhada para que se tenha uma noção (embora superficial) do todo, mas é, sim, apreendida no “transcorrer” de vários momentos, que se relacionam entre si. Por outro lado, por meio da partitura, torna-se possível ter uma “visão simultânea” desses vários instantes. Por ela, já não é você que se submete ao tempo, mas o tempo que se submete a você. Passamos a ter então uma visão “de cima”, e, assim como é de cima que compreendemos melhor um território, “de cima” é que compreendemos melhor o território da música.

Mas, claro, não para por aí! Aprender partitura também é abrir-se a uma tradição milenar (e, no caso específico do violão, multi centenária). Significa abraçar a possibilidade de tocar um repertório violonístico fascinante, que inaugura-se com a melancolia renascentista de John Dowland, enriquece-se com a nobreza virtuosa de Bach, desenvolve-se no “violonismo” tão característico de Tárrega e emociona com as belas melodias de Dilermando Reis, seguindo muito além. Saber partitura é estar aberto a todo este mundo vasto de repertório, desfrutando dele naquilo que ele tem de mais precioso, seja no que diz respeito ao desenvolvimento técnico (o qual, aliás, nenhum outro repertório iguala) ou no deleite estético que proporciona. 

Um bom curso de violão online deve ensinar a ler partitura!

Saber partitura é, portanto, importantíssimo para que você não seja um violonista limitado, seja em técnica ou em cultura de repertório. E, a fim de evitar que você se torne esse violonista limitado, convido-o a conhecer o método LIV (clique aqui para saber mais sobre o método). Com este curso, você será, em somente 6 semanas (claro, com o devido comprometimento), capaz de ler partitura ao violão, passando então a não depender de ninguém que lhe ensine as músicas que deseja aprender e, também, a compreender melhor a música, num sentido geral. Ricardo Novais, para que a receita do método funcionasse funcionasse bem, escolheu os 3 ingredientes que considera fundamentais para o aprendizado da partitura, que são:
1) Partituras em vídeo (tornando mais interativo o aprendizado).
2) Quizzes interativos de teoria musical e para aprender a encontrar as notas no braço do violão (para testar seus conhecimentos e levá-lo adiante)
3) Sequência didática organizada em 6 subníveis, que aliam teoria, leitura e técnica (didática meticulosamente estruturada, com equilíbrio entre teoria e prática).

Ficou interessado? Clique aqui para saber mais

Posts relacionados no Amigo Violão:

Você quer aprender violão de forma afetiva, de acordo com sua capacidade?

Veja nossos cursos: